sábado, 16 de outubro de 2010

Aquele Pequenino Ponto Azul

AQUELE PEQUENINO PONTO AZUL
Carl Sagan
Versão de Ana da Cruz

Você vê a aquele ponto? Aquele minúsculo ponto azul, no topo da faixa? Essa é a Terra.

Este é o nosso planeta há 4 bilhões de milhas. Olhe novamente para aquele ponto. Que é aqui. Que é lar. Que somos nós. Nele, em todo parte, você ama, todo o mundo que você conhece, todo o mundo que você sempre ouviu de, todo ser humano que sempre foi, vivendo suas vidas. O somatório de nossa alegria e sofrimento, milhares de religiões confiantes, ideologias, e doutrinas econômicas, todo caçador e predador, todo herói e covarde, todo criador e destruidor de civilização, todo rei e camponês, todo par jovem apaixonado, toda mãe e pai, criança esperançosa, o inventor e o explorador, todo professor de moralidades, todo político corrupto, toda super-estrela, todo líder supremo, todo santo e pecador na história de nossas espécies viveram lá dentro: uma imensidão de pó suspensa em uma pilastra de sol.

A Terra é um espaço muito pequeno em uma arena cósmica vasta. Pense nos rios de sangue derramados por todos esses generais e imperadores de forma que, em glória e triunfo, eles poderiam se tornar os mestres momentâneos de uma fração de um ponto. Pense nas crueldades infinitas visitadas pelos habitantes de um canto deste pixel, nos habitantes raramente compreendidos de algum outro canto, como são freqüentes os seus enganos, como eles estão ansiosos a matar um ao outro, como seu ódio fervente.

Nossa postura, nossa ego-importância imaginada, a ilusão que nós temos alguma posição privilegiada no Universo, é desafiada por este ponto de luz pálida. Nosso planeta é uma pinta apenas no grande útero escuro cósmico. Em nossa obscuridade, em toda essa imensidade, nenhuma sugestão que nos salve virá de outro lugar para nos salvar de nós mesmos.

A Terra é o único mundo conhecido tão longe para abrigar vida. Não há, em nenhuma outra parte, pelo menos, num futuro próximo, para onde nossas espécies poderiam migrar. Visita, sim. Solução, entretanto, não. Gostemos disto ou não, para o momento é a Terra onde nós fazemos a nossa morada.

Foi dito que a astronomia é uma experiência humilhante e formadora de caráter. Não há, talvez, nenhuma demonstração melhor da loucura das vaidades humanas do que esta imagem distante de nosso mundo minúsculo. Para mim, sublinha a nossa responsabilidade para lidar mais amavelmente com um ao outro, e preservar e apreciar o ponto azul pálido, o único lar, sempre conhecido, que nós temos.

THAT TINY BLUE DOT
(Carl Sagan)
Original

See that dot? That tiny, blue spec in the top band? That´s Earth.

That is our planet from 4 billion miles away. Look again at that dot. Thats here. Thats home. Thats us. On it everyone you love, everyone you know, everyone you ever heard of, every human being who ever was, lived out their lives. The aggregate of our joy and suffering, thousands of confident religions, ideologies, and economic doctrines, every hunter and forager, every hero and coward, every creator and destroyer of civilization, every king and peasant, every young couple in love, every mother and father, hopeful child, inventor and explorer, every teacher of morals, every corrupt politician, every superstar, every supreme leader, every saint and sinner in the history of our species lived there-on a mote of dust suspended in a sunbeam.

The Earth is a very small stage in a vast cosmic arena. Think of the rivers of blood spilled by all those generals and emperors so that, in glory and triumph, they could become the momentary masters of a fraction of a dot. Think of the endless cruelties visited by the inhabitants of one corner of this pixel on the scarcely distinguishable inhabitants of some other corner, how frequent their misunderstandings, how eager they are to kill one another, how fervent their hatreds.

Our posturings, our imagined self-importance, the delusion that we have some privileged position in the Universe, are challenged by this point of pale light. Our planet is a lonely speck in the great enveloping cosmic dark. In our obscurity, in all this vastness, there is no hint that help will come from elsewhere to save us from ourselves.

The Earth is the only world known so far to harbor life. There is nowhere else, at least in the near future, to which our species could migrate. Visit, yes. Settle, not yet. Like it or not, for the moment the Earth is where we make our stand.

It has been said that astronomy is a humbling and character-building experience. There is perhaps no better demonstration of the folly of human conceits than this distant image of our tiny world. To me, it underscores our responsibility to deal more kindly with one another, and to preserve and cherish the pale blue dot, the only home weve ever known...

2 comentários:

Rodrigo Passos disse...

ótima reflexão!

Jaak Bosmans disse...

Muito interessante. Eu até já havia postado o vídeo relativo a este belíssimo texto no Mural dos Escritores.Fico feliz de ver que (embora não tenha a força do vídeo) o texto está sendo divulgado e até com traduções. Isto é muito bom!!!